2008/08/05

consumidores e web social

Muitos dos que ainda não perceberam o que é que isto da web social pode fazer em favor das organizações, estão já a perceber o que ela pode fazer contra.

A impunidade que muitas organizações (e pessoas) gozavam em relação ao consumidor, assentava, entre outros, no facto de essas relações e os problemas com cada um dos consumidores ficarem dentro de portas. As organizações reservam-se o direito de apenas dar visibilidade ao que prentendiam.

Os consumidores, por muitos direitos que tivessem, acabavam por ver logrados os seus esforços para a reposição do que era justo. A falta de meios, onde tempo e dinheiro para mover um processo não estão ao alcance de todos, bem como a falta de meios que permitissem impedir outros consumidores de serem borlados, enganados, lesados, etc. [preencher consoante experiência], dando a respectiva visibilidade ao caso.

Pessoas como o Sr. José Henriques, que está no negócio de compra e venda de imóveis, pensam que podem continuar a agir de má fé e com abuso de confiança sem que o próximo comprador disso venha a saber. Pensam que os pequenos têm que se sujeitar às suas vigarices. Pessoas como o Sr. José Henriques pensam que podem continuar a vender casas e andares sem que os diversos consumidores que com ele contactaram venham a saber.

Só que este senhor, rapidamente se irá aperceber das vantagens da web social para dar mais enfase aos nossos direitos, sobretudo quando estes não são respeitados e quando o consumidor compra uma casa com obras prometidas que nunca são acabadas, com fracções que continua a desconhecer, em vésperas de uma escritura e após diversas insistências.

Pessoas como o Sr. José Henriques, começam a ter hipóteses de perceber que não é possivel continuar a enganar os consumidores porque agora eles falam, conversam e são encontrados. Já não é possível esconder os podres e fazer cosméticas com as obras, nem enganar aqueles que, sabe-se lá porquê, continuam a acreditar que somos todos pessoas de palavra e que existem pessoas de confiança.

Outros interlocutores desta história, estão a tempo de perceber as inevitabilidades dos blogs!

PS [7 de Agosto de 2008, às 18:41] - Com a escritura marcada para amanhã de manhã (9:40), continuam sem me mostrar que as obras foram finalizadas, continuo a desconhecer a totalidade da casa que vou comprar e, acabo de descobrir no site das finanças quando tentava liquidar o IMT, que «não existe nenhum prédio registado com a identificação indicada», conforme os elementos que me forneceram no contrato de promessa.

Por forma a evitar que outras pessoas com o mesmo nome possam ser confundidas, trata-se de José Henriques - Compra e Venda de Imóveis Unipessoal, Lda. com o NIPC 507146620

No comments:

Post a Comment