2008/12/24

Time to be with family, friends and our loved ones. A toast to you all: may you find peace, health and love in everything you do.
Posted by Picasa

2008/12/17

On scrapnotes and «technologizing» everything

Scrapings or information scraps are little notes that we take in a paper cloth table in a restaurant, a napkin, a post-it, the corner of a magazine or the newspaper, a notebook, but also in del.icio.us bookmarks, text files or whatever is at hand, at the moment. They can even be turned into art books (bookscraping).

Maybe the clue to scraping lies not in developing new tools to add to the mash and proliferation of our bits of information, but in understanding that they are part of our own information behaviours for what works in given occasions. For me it seems more relevant to acknowledge it, and incorporate it as a practice that works for individuals, than to see it as a problem that needs a technological solution.

Scrapings are immediate. One takes not of it, with what one has at hand, and makes it immediately available to add meta data to a book we are reading, to glue at the fridge as a reminder or a grocery list that we later take with us, to note down a telephone or the name of the music passing on the radio, a research lead for later reflection, a visual signal, a temporary mark, making eliciting annotations on a paper we are reading, a drawing of complex or simple ideas. 

Imagine the time (and problems)  it would take for you to make a «simple» scraping in a web application (hardware + internet access + application initiation) while at the supermarket, talking with a colegue on the corridor, having a meal with friends, while driving (or stopping endlessly in IC19 ;), working with others in co-location or facilitating a meeting?...

Ever notice that in a rush moment, although people have their latest technology mobile phones, in order to exchange contacts either they jot down the contact in a piece of paper, or exchange presentation cards, or they dial the number they are given to stay with that record (and confirm they have noted the number correctly) and only later (if ever) they add more information to the plenty of available labels to fill in their sophisticated «contact managers»? 

Let alone the transferability and malleability of such notes, in the end is also about reliability. How many of us have lost your long time acquired contact details due to loss, robbery or malfunction of your telephones (or whatever gadget you used)? How many of us will be able to show our present pictures to our future grandchildren (even with all the available storing capacity, gadgets and backup practices)?... 

Makes us think about why with so many available technologies, with all the digital facilities that we have, paper production does not seem to be slowing down and the once envisioned «digital office» couldn't look further apart as paper seems to be the most reliable medium in our PIM(personal information management) practices. Maybe paper is still our long lasting backup and not the other way around.

For a deeper knowldge about scraping, there is a lot to reflect in the Haystack Group of MIT.

2008/12/16

blogging research papers... and trails

Adding to Lilia's latest post on research papers on business blogging, 4 more references since 2007 that I think are worth exploring:

Business organizations are using blogs as a conversational technology to help build a community of practice where knowledge exchange and sharing actively take place. This case study examines how Macromedia used blogs to build its developers' communities and become more organizationally effective. Four major types of interactions between the company employees and customers through the blogs are analyzed: socialization, information sharing, help seeking, and teaching and learning. Organizational factors that contributed to the success of such a strategy are also revealed in the study. A model is thus drawn to explain how blogs contributed to the organization's effectiveness by strengthening customer relations, product development, and innovation. Finally, practical suggestions are provided for companies that are considering adopting a blogging strategy for customer relations, product development, and community-driven innovation.
"Employee resistance has traditionally been analysed as an activity that occurs in the work organisation. In recent years, new Internet communication technologies, such as blogs, have expanded the possibilities for employees to express conflict. This paper explores how these developments can add to our understandings of employee resistance to the labour process."
"Sun Microsystems' CEO challenged his Global Employee Communications team to build communities within the company with social networking technology. Wikis, blogs, Facebook fan pages, and six islands on Second Life are just a few of Sun's new social media tools that employees use to learn, boost innovation, connect with executives and each other - and spread the good word about Sun. To achieve this quickly, the communications team collaborated across organizational boundaries, tapped grassroots social media efforts in other parts of the company, focused on a manageable number of short-term projects, and showed a willingness to experiment."
"Blogging is a dynamic, interactive medium for the communication between authors and readers. In spite of many stories of using blogs in corporate working environment, these stories are largely anecdotal and it is unclear whether this practice actually delivers positive benefits for companies. This study investigates the impact of blogging phenomenon on employees' behaviour in the e-global age and introduces cases to understand how corporations can improve their IT workers' Organisational Citizenship Behaviour (OCB) levels through employee blogging."
Long before blogs where widely used, one of the ways of finding research related to owns interest was following the citation of paper about the topic. After finding those trails, you had to go through library catalogs to locate the paper and then try to have access to the full content of the paper. Today, apart from following bloggers in our interest areas (antecipating published works), we can also follow more easily the trails of the production of researchers through their published work, and through them, discover other researchers that have built on their work.

Ex: If you follow one of the papers of Efimova and Grudin on employee blogging in GoogleSchoolar, you can easily discover other authors that used her work and discover more rapidly how to gain access to work that builts upon the paper. As said, following trails is not new. What is new is information behaviours to follow those trails.

2008/12/11

info-byto-ritmo de produção na web


From the The Diverse and Exploding Digital Universe, EMC / IDC, 2008: "(...) explores new dimensions of the digital universe (e.g., the impact of specific industries on the digital universe; your digital shadow) and discusses the implications for individuals, organizations, and society."

Do analógico para o digital, APDSI

A semana passada fui ao evento da APDSI para o lançamento de um relatório realizado por um dos grupos de trabalho constituídos de entre sócios que, sem qualquer tipo de remuneração, disponibilizam o seu tempo para a sua concretização. 

Os slides e o relatório final da Evolução do analógico para o digital no domínio do trabalho, já estão disponíveis na página da APDSI.

Apesar de poucas pessoas terem estado a assistir o debate no final foi bastante animado e não foi possível ver respondidas todas as questões que foram colocadas pelos diversos participantes. Infelizmente (para mim ;) a questão que coloquei não foi respondida dada a quantidade de questões colocadas.

Falou-se muito do «teletrabalho» (algo que nas publicações dos últimos anos tenho visto desaparecer) mas não da «mobilidade no trabalho», nem da «diluição das fronteiras entre trabalho e vida privada» (24 hours on call). Pareceu-me que futuros trabalhos deveriam contemplar estas questões, dado que a crescente mobilidade dos trabalhadores é transversal a muitos sectores de actividade e, uma realidade para diferentes profissionais.

Oportunidade também para (re)encontrar caras conhecidas e (re)lembrar uma comunidade que em tempos teve muita animação ;-)

2008/12/07

Bons acessos... para quem já os tem!

Durante algum tempo fui cliente da Clix e não tive motivos de queixa. Antes de ser cliente, tinha na altura uma ligação dialup através da PT. Depois de ter comprado a caixa de activação é certo que esperei cerca de 5 meses para que o serviço fosse activado. No entanto, na altura tinha já acesso em casa (ainda que muuito lento) e excelentes acessos no local de trabalho. Não me causou transtorno.

Passados estes anos, e porque reiniciei uma nova etapa de vida, contactei a Clix para me tornar cliente na nova casa em que estou. Ao fim de 3 meses de espera para me activarem o serviço, e sem nenhuma outra forma de acesso, nada aconteceu, apenas fiquei a saber que o meu contrato já não estava activo, tal como pensava após a assinatura de toda a papelada e da espera.

Na semana passada, fiz contrato com a Vodafone. Fico a pagar menos pelo mesmo tipo de acesso (12Mb, chamadas gratuitas rede fixa das 21:00 às 9:00) e... já tenho ligação! O pacote inclui, até que a linha da PT seja atribuida e activada, a navegação através de SIM e só começo a pagar a mensalidade dos 19,90 quando a linha ficar activa! E, ainda mais importante para mim, é que não foi mais publicidade enganosa. 

Ou seja, quando se avaliam serviços, para lá da comparação que se possa fazer do que é oferecido e do seu custo, convém ter atenção aos prazos e aos custos escondidos. Na Vodafone paguei apenas 9,98 mais 50 euros de caução pela connect box que me serão devolvidos após a activação da linha e entrega do equipamento numa loja. Foi tudo o que paguei! Já com a Clix, a quantidade de asteriscos existentes em pé de página, e de outros mais que se vão descobrindo aos poucos, tornam os preços que publicitam muito pouco atrativos face à Vodafone.

Mas claro que a minha opinião está viciada uma vez que com a Clix não cheguei a conseguir uma ligação e com a Vodafone, numa semana, consegui ;-)

2008/12/04

Estudo da APDSI sobre novas formas de trabalho

Hoje, às 14:30, vou estar na apresentação do estudo Evolução do Analógico para o Digital no Domínio do Trabalho:
"(...)um contributo para a análise dos impactes dos novos ambientes digitais no mundo do trabalho e ajudar a identificar barreiras e contextos desajustados ao desenvolvimento de novas formas de trabalho na sociedade da informação e do conhecimento."
Local: Auditório da Fundação Portuguesa das Comunicações, Rua do Instituto Industrial 16, Lisboa.

Estou com muito interesse na temática, tanto mais porque é um assunto que toca directamente no trabalho que estou a desenvolver e sobre a qual tenho acumulado mais perguntas do que respostas, muitas delas passam pela observação de comportamentos de informação e práticas de gestão pessoal de informação (PIM) junto de profissionais, em contextos de mobilidade.

Uma das questões prende-se, logo à partida, com o facto de, apesar da crescente disponibilização de informação digital, nas práticas de trabalho não tenho observado um abrandamento da utilização de papel. Papel e digital continuam a co-existir e colocam desafios adicionais aos trabalhadores, nomeadamente quando falamos de «mover o papel» para o digital e vice versa. Em tempos dei aqui conta de uma dessas situações, mas elas abundam no nosso quotidiano.

PS - Obrigada, Pedro. Na tag coloquei APDSI mas nem tinha reparado no título. Corrigido!

Stages, Layers and Blog Networking Study

It's been awhile since I've been able to follow Lilia's research work (and talk, and discussion, and playing around with things, and... eating pastry and laying out on the grass in a sunshine day :).

The first results are surfacing on her blog with the transcripts of the interviews. Every transcript available had the previous consent of the participants in the study and allow for a richer collaboration with the researcher... and also, add more responsibility for been part of the research (more about use of labels for writing research).

Since I'm still using my neighbours wi-fi (Vodafone delivered the wi-fi modem but not the connect box - anyone working in Vodafone.pt that can help?) I'm just adding some quick notes.

Someone already mention and I also believe that it might be worth exploring the concept of stages by Goffman in the Presentation of Self in Everyday Life. Blogs add different layers and individuals «act» according to different stages (palcos, in Portuguese). Blogs can be very personal and reveal a lot about a person but they do not represent by themselves the identity of the owner. 

When I was trying to talk to Lilia over Skype I also suggested looking for some reference work about the way book authors might feel when they discover they have much more «followers» then they new about it. In general, maybe the act of maintaining a blog can be included in a wider category of «people who create» things. Objects that, after being created, persist and have a life of their own. Wonder if a blog, like a book or a vessel, can also be considered and treated like an immutable mobile. I wonder...

Note to self - relate perceived practices of social scientist with «real» working practices -  After Method: Mess in Social Science Research (2005), Law.

Photo by Lilia - final chapter [in the PhD]

2008/12/03

Com os meus agradecimentos

Quando aqui coloquei a última entrada, estava longe de adivinhar que afinal a ligação com a Clix, após mais de 2 meses sobre a assinatura do contrato, viria a ser cancelada! Liguei para saber o que se passava e fui informada que o contrato que o estafeta tinha vindo recolher a minha casa, não constava no sistema. Sem mais história ou qualquer tipo de explicação.

Na sequência deste cancelamento, contactei por telefone a Vodafone para proceder a novo contrato. Virão amanhã entregar a caixa e recolher o contrato. É suposto estar incluída uma connect box para que possa aceder à internet até que a linha da minha nova morada seja activada pela PT. Se assim for, a partir de amanhã poderei retomar as minhas práticas de trabalho que assentavam, até Agosto de 2007, numa infraestrutura de informação e comunicação permanente. Ah, o mais importante (para mim) é que ainda ficarei a pagar menos do que iria pagar à Clix pela mesma largura de banda e com a happy hour para telefones fixos das 21:00 às 9:00. Vamos ver se a Vodaphone cumpre o que promete... e ainda acabo por mudar as minhas comunicações móveis para eles também.

Apesar de não saber quem nomear, nem fazer ideia durante quanto tempo poderei utilizar esta ligação, deixo aqui o registo dos meus agradecimentos a uma/um vizinha/o por me ter permitido aceder a esta ligação wi-fi sem restrições. 

2008/10/27

(un)connectedness

Only a few of you may have notice, that I have been away from my digital spaces. Not because I deliberately chose to, but because in my new home I'm still waiting for the installation of my Clix internet account (they tell me they are waiting for PTelecom to instal the line). Since my workplace does not exist any more and I'm on a research grant, my social contacts are almost non existent. My communications are limited to mobile phone use (which is to expensive in face of my actual financial status), so I had to cut down outgoing calls, although I'm very glad to receive any calls :-)

Before, I used to be connected all the time and I didn't realize the importance it had in my daily life, namely the sense of connectedness to a vast network of friends and contacts. Apart from the obvious sense of isolation, I have been missing a lot of events just because I'm not connected. In a way it is like loosing your hearing, cause I'm not able to listen to the conversations going on. It's also like being mute, cause I'm not able to express myself. It's like being eye shorted, cause I'm not able to scan my (previous information rich) environment to see what's happening.

But this situation as given me a lot to think about. We can try to understand how those left behind are loosing opportunities (namely, those without internet access)  but we can not feel it. Living the real thing, without being just a few days without access, changes a lot a persons perspectives and behaviours. Things so trivial like checking your email every minute (plus the expectation of the senders that you are on the other side and see it right away!) give way to a false sense of not caring enough with the sender to reply and/or act. The reality could not be further away from the true: not replying just because I'm not there to see the messages. So in the mean time, I've been sending and uploading on the go without the ability of receiving feedback, of engaging in the flow. To better describe what I feel, it's a lot like once in a while going out and talking to a machine with no one on the other side.

The saying that fish only knows they need water to survive, once they are taken from their natural element, seems quiet appropriate. Sometimes we need to be outside our (natural!) element to understand what's really important. The gigantic amount of information flow I was used to dealing with, gave way to, some could say, an information poor context. But, there where some benefits. Things where happening so fast that my time was almost spent for information attention and very little to information thinking and information production. Networks where becoming so huge (and unfamiliar, I might add) that a sense of friendly gathering  disappeared and gave place to crowd gatherings with people speaking all at the same time and not listening to current and past conversations. The sense of information overload I was having, greatly exacerbated by the accumulating (unread) feeds I was subscribing, resulted in the ability of identifying the one's that really where important to me. Those where a few dozen, and not hundreds. During this time I've also discovered that to the people that really wanted to talk back, not having access to the internet did not stopped them to find me. They even reminded me of something that I wasn't aware of: in all the emails I've sent them, I had on the bottom of the message my automatic signature providing other means of contact, namely my mobile phone number.

So yes! During this last year, I may have lost a lot of events, new tools and great conversations. But, if they where really important they will persist and I will be able to reconnect after the information buzz. What do you think it was really important this last year that you would bother to leave me a link so I can start to recover once the Clix guys come to install my internet connection? I suspect the lake of answers will mean that I have not lost a great deal ;-)

2008/10/02

Crossroads embedded aplications

A Crossroads Newsletter (Fall 2008) passou a disponibilizar uma versão digital. Para aceder basta clicar na imagem. 
Look Inside >>
Fall 2008

2008/10/01

novo ciclo escolar - livros em 2ª mão

Como muitos devem saber, cada novo ciclo escolar dos nossos filhos, trás consigo novas listas de livros. Com o avançar dos ciclos, as listas tendem a encarecer, ao contrário do rendimento disponível.

Com a entrada do meu filhote no IST (Taguspark), e o avultado preço dos livros de apoio ao curso dele (Informática e Computadores), recomendei-lhe a utilização da biblioteca. Apesar disso, vou precisar de arranjar, para já, um deles: 
  • Linear Algebra and Its Applications (3rd edition), de David C. Lay
Alguém que esteja a ler isto que se queira desfazer do livro (ou que conheça alguém que já não precise dele)?

2008/09/26

What???!!

"Employees installing legitimate but unauthorized applications, are a real and growing threat to business security and productivity. Removable storage media and wireless protocols make the challenge of securing data even more complex. This paper explains why control is important and highlights how integrating this functionality into malware protection is the simplest and most cost-effective solution."

Thou I can try to figure out what they mean about security (loosing control) I fail to understand how applications employees are installing are a threat to productivity!

2008/09/18

I'm not a commodity

There isn't a predefined path for learning nor there is a fixed time for learning it. There are infinite ways of reaching goals and even those are defined by the learner not the designers (teachers, educators, politicians, whatever you want to call it).

Looking back in my life, I see my own pattern of learning. I call my self a slow learner. I'm not afraid of failing, actually is when I can learn better. I like to explore, to assemble, to manipulate the objects in different ways, to test my constructions, to compare with other constructions, to reflect on my own failures and enrich it with accounts of others. This can not be rushed! Takes time! My own time to find meaning. Also, I'm not keen on bragging about accomplishments but I like to share what did not work with me so others can use freely my mistakes.

For me mistakes are part of the process. Can one live without mistakes? Aren't we fooling ourselves saying otherwise? Is there a single cassette, a single video, a book, a paper or any single account that can work without previous knowledge (let alone the «fifth element» that absorbed the meaning of life during a couple of hours... and still it was incomplete cause she never felt loved) contextualized?. There is no fast and packed knowledge for you to ingest in order to prevent failure. To learn something is not the finish line, nor the goal. Learning is a journey that must be experienced. Taking longer and making mistakes is in no way the same as being less valuable. The question lies on our ability to identify our mistakes, our failures (only possible if you have some kind of knowledge, otherwise one can not identify the mistakes and needs someone else to point it). I guess that it might be also cultural. Some people find it easier to identify mistakes of others instead of their own. Maybe it is easier but I wonder if they can learn as much as with reflections on their own failures...

When I decide to make a journey (or learn something), I accept that I might get lost, I might not understand the meaning of things I encounter, I'll get overwhelm, I will not visit all the things that cross my way, I'll meet some people and ask for directions and I'll observe what others are doing without engaging. All of that, is part of the journey, of what I've learned.

In CCK08 my interest is not so much about if connectivism is a theory or if it is going to replace other ways of explaining the world around us. Sure I like to be abreast of new research explaining new realities, new needs. But what I really want to understand are new ways of acknowledge paths of learning and knowing things that are not accounted for in previous systems of evaluation, based on different objects and technologies that are available (we shape technology and then it shapes us). 

From scarce to plenty, from restricted to open, from localized to networked, from costly to free... Learning today requires so much more and yet we are at large still being evaluated by our finished products, our thesis, depicting a pale picture of all the transformations, all the conversations, all the lessons (some still call failures) that took place since we embark on the journey. Yes, it might prove difficult, more time consuming for teachers to engage in this path approach for learning, but the results are surprisingly overwhelming!

Going back to my journey, amidst the remodeling of my «new home», very proud to see that my son's path to university worked out as he wished and that my daughter is happier than ever since she changed school, one that she believes is better suited for her learning style. Amazing to see how different they both are and how they choose their own paths.

2008/09/02

Google Chrome live

A apresentação do Google Chrome está a decorrer. As boas notícias: a página onde poderá ser feito o download é [http://code.google.com/p/chromium/] http://www.google.com/chrome. As más notícias: a primeira versão é apenas para windows users. Os utilizadores de Linux e Mac terão que aguardar mais algum tempo.

À espera...

... das 19:00 para o Google Chrome!

2008/08/13

Sugestões? O que fariam vocês? Como prosseguir?

Na entrada sobre consumidores e web social ficaram de fora alguns detalhes que urge completar pois corria o risco de que fosse lida como uma mera história ilustrativa. Não foi e não é.
Começo pelo final. Fiz ontem a escritura do meu andar. As obras não foram finalizadas e acabo de descobrir que entra água pelo chão do WC social.

O (ex)proprietário, Honório José Barbosa Henriques, da sociedade comercial por quotas «José Henriques, compra e venda de imóveis, Unipessoal Lda», representado pela ERA Mem Martins, que desde o primeiro momento garantiu que as obras seriam realizadas, saíu com o cheque no bolso dizendo no próprio dia da escritura, que afinal já não terminava as obras. Irá continuar a fazer cosméticas e a prometer obras nos imóveis que vende, obtendo por eles um valor superior ao estado em que se encontra o bem?

O vendedor e mediador, Luís Oliveira da ERA Mem Martins, apareceu na escritura, preocupado em saber sobre o que seria acusado pelas vias da justiça. Estranho como até ontem, as minhas tentativas de contacto por telefone, por email e por fax, para resolução das obras que haviam sido garantidas, não receberam qualquer resposta. Irá ele continuar a utilizar as mesmas práticas para a venda de imóveis sob a capa da ERA Portugal?

O responsável (substituto?) pelos processos, Luís Cruz da ERA Mem Martins, a quem expressamente enviei uma lista (com CC: para Luís Oliveira) especificando as obras que deveriam ser incorporadas no artigo 2º do Contrato de Promessa, tal como haviam sido garantidas na presença de testemunhas, em mais do que uma ocasião, e que no dia da assinatura não estavam no contrato pois ERAmos todos pessoas de palavra e as obras seriam realizadas! Irá continuar a tratar dos processos de aquisição das casas sem verificar o cumprimento do que foi acordado?

Sugestões? O que fariam nestas circunstâncias? Como deveria acabar esta história?

---------------------------------------------------------------------------------
Cronologia dos eventos

2008-05-09: Pela ERA de Paço de Arcos sou avisada que deu entrada um andar em Mem Martins com a referência 4100, com as características que eu procurava. Vejo as fotos e de imediato confirmo que estou interessada em visitar o imóvel.

2008-05-12: Pelas mãos de Luís Oliveira da ERA Mem Martins e José António da ERA de Paço de Arcos, vou conhecer a casa. As fotos não correspondiam à realidade. As obras estavam com vários problemas mas seria conversado com o proprietário a sua reparação e finalização.

2008-05-16: Com a garantia de que as obras se iriam finalizar, faço proposta de compra com o pressuposto das obras e sinalizo a intenção de compra por cheque que fica depositado na ERA de Paço de Arcos.

2008-05-26: O proprietário da casa, José Henriques, aceita a proposta mediante assinatura no contrato de reserva e compromete-se a reparar os defeitos encontrados na casa. Tenho 45 dias para conseguir o empréstimo bancário e para marcar o contrato de promessa.

2008-05-30: Na sequência do pedido da planta do andar, tomo conhecimento de que a casa incluía uma arrecadação e peço para a conhecer, sem sucesso. Esta situação vai sendo sucessivamente protelada, até ao próprio dia em que se encontrava marcada a escritura, 8 de Agosto de 2008.

2008-07-03: Nesta data e após ter lido o texto do contrato de promessa, e porque as obras não se finalizavam, enviei lista a Luís Cruz da ERA Mem Martins, descriminando as obras a realizar, e pedindo para ser incluída no artigo 2º do contrato.

2008-07-10: Dia da assinatura do contrato de promessa. Dou conta que o pedido que tinha feito para descriminar as obras prometidas, não estava no contrato tal como pedido. Peço para ser incluído e recebo como resposta por parte de Luís Cruz da ERA Mem Martins e do proprietário que ERAmos todos pessoas de palavra e que se ele dizia que as obras se iam realizar, não tinha motivos para duvidar. Estavam presentes outras pessoas que confirmam o que se passou. Assinei!

2008-07-25: A duas semana da data marcada para a escritura, e preocupada com a não finalização das obras bem como continuar a desconhecer uma das fracções da casa (arrecadação), dei desta facto conhecimento à ERA Mem Martins, enviando um «ponto de situação das obras» e solicitando a resolução do assunto.


2008-07-29: Como resposta, e para minha estupefacção, sou contactada 4 dias depois por Luís Cruz da ERA Mem Martins, dizendo que tinha antecipado a data da escritura para dia 1 de Agosto, continuando a insistir que o que se encontrava por finalizar seria realizado (sem concretizar!) e que eu só iria ter conhecimento da dita fracção da casa (arrecadação), na altura da escritura!!



Preocupada com os contornos desta situação, entrei em contacto com a DECO que entre outras coisas, me recomendou consultar um advogado. Assim fiz.


2008-08-04: Na sequência de diversos telefonemas e mensagens, a ERA de Paço de Arcos sugere uma reunião no próprio andar, marcada para este dia por conveniência do sr. José Henriques e da ERA Mem Martins, com vista a verificar in loco o ponto de situação das obras. Compareci à hora por eles marcada, acompanhada por Advogada. A ERA de Paço de Arcos compareceu e, já no local e hora marcados, recebem um telefonema a dizer que a visita estava cancelada! Dos assuntos que iriam ser tratados, constavam:

  • resolução das obras que haviam sido acordadas desde que tomei conhecimento e manifestei o meu interesse na casa, em Maio, e cuja finalização tardava em acontecer
  • conhecer uma das fracções que fazia parte integrante da casa (arrecadação) e que pedia para ver desde Maio, sem sucesso, ou seja, sem conhecer a totalidade do apartamento
  • aceder aos meus bens pessoais e de trabalho, que se encontram na casa na sequência da entrega da chave do andar, por ocasião da celebração do contrato de promessa e que, desde dia 2 de Agosto me encontrava impedida de aceder por motivo de mudança do canhão da porta de entrada pelo sr. José Henriques
2008-08-05: De acordo com recomendação jurídica, enviei fax, dos CTT, a mostrar a minha preocupação, insistindo para a resolução das questões e pedindo a renegociação do valor da casa, uma vez que a minha oferta tinha sido feita com base em obras que não tinham sido cumpridas , apesar de garantidas. Não obtive resposta por parte da ERA Mem Martins.


2008-08-08: Data marcação da escritura para as 9:40 da manhã. Como continuava sem ver as obras finalizadas e sem conhecer uma das fracções integrantes da casa (arrecadação), transmiti a minha preocupação ao Procurador da entidade bancária que me concedeu o empréstimo e à Notária que estava presente para a celebração da escritura.

Foi-me garantido que aguardariam e que tinha o direito de conhecer a totalidade do bem que estava comprar. Luís Cruz da ERA Mem Martins acedeu então a levar-me ao andar. Acompanhou-o José António (vendedor) e Ana Rita (advogada), da ERA Paço de Arcos.

Chegados ao local, a chave que me iria ser entregue no acto da escritura não abria a porta de entrada do prédio. Após termos entrado em casa, encontravam-se por realizar a totalidade das obras que constavam da lista com o «ponto de situação das obras», enviada a 25 de Julho de 2008.

A arrecadação existia. Localizada num 4º Andar sem elevador, equivalente a um 5º, estava cheia de objectos, impossíveis de descriminar uma vez que não tinha iluminação.

Regressados ao local onde se iria celebrar a escritura, os mediadores (ERA de Paço de Arcos e ERA de Mem Martins) entraram em contacto com vista a resolver a situação. Foi então acordado que se assinaria uma declaração em que constaria a lista das obras a finalizar, ficando depositado um cheque em meu nome na ERA Mem Martins, como caução na eventualidade das obras não se realizarem num prazo de 1 semana e de acordo com indicações do próprio proprietário.

Após redacção da declaração afinal o proprietário já não assinava o documento mas continuava a «garantir» que as obras seriam realizadas até 3ª feira da semana seguinte! Marcou-se nova escritura para 13 de Agosto.

2008-08-12: Sou convocada para uma visita a realizar à casa. Às 18:00 compareço na morada do andar, juntamente com os mediadores da ERA de Paço de Arcos e Luís Cruz da ERA Mem Martins, pessoa que nos iria confirmar que as obras se encontravam realizadas. Após entrada no andar, e percorrendo a lista «com o ponto de situação das obras» que se encontravam por fazer... estava tudo na mesma! Excepção registada para a ligação dos electrodomésticos e para a limpeza da arrecadação. Foi novamente garantido por Luís Cruz que a entrada de água pelo chão do WC estava resolvida. Enchi então o lavatório com água e deixei que ela escorresse, entrando a água, como anteriormente, pelo chão!

2008-08-13: A escritura é realizada sem que o preço de venda da casa tivesse sido alterado por forma a reflectir o que terei que gastar com as obras que afinal não serão realizadas, conforme me informou neste dia, a ERA de Mem Martins! A desmarcação da escritura para outra data não foi possível uma vez que o contrato estabelecia o prazo de 30 dias para a realização da mesma. Caso não fosse feita, eu perdia os mais de 10% do valor da casa que tinha entregue e o sr. José Henriques poderia vendê-la a outra pessoa. O resto já sabem: o (ex)proprietário meteu o dinheiro no bolso...

2008/08/10

Who owns you?

Através do Pedro Fonseca, tive conhecimento do caso de um utilizador a quem uma conta Google foi suspensa. When Google Owns You by Chris Brogan, deu-me muito que reflectir sobre a minha própria identidade online e o que poderia acontecer na eventualidade de a minha conta Google ser suspensa.

Entre diversas questões, coloquei à cabeça a necessidade de confiar em pessoas e organizações. Enquanto não tenho motivos para duvidar, faz parte da minha natureza confiar nelas à partida. Este «à partida» pode estar relacionado com as primeiras impressões, com as experiências de outros ou pela própria história, construída ao longo do tempo, com pessoas e organizações.

Com a Google foi construindo, lentamente o meu relacionamento. Começou em 1995 com a satisfação dos resultados de pesquisa que obtinha, mais tarde com produtos adquiridos por eles, nomeadamente o blogspot (Pyra Labs) e hoje, quando olho para a minha Google account, vejo que fui adicionando às minhas ferramentas uma lista com dezenas de outros produtos.

Constato também que no meu mix de ferramentas web, existem muitas outras que fazem parte da minha identidade web. Se a minha conta Google fosse congelada, perderia um grande volume de informação e alguns dos meus canais de comunicação, nomeadamente o Gmail. No entanto, dada a redundância de informação existente e agregada noutras ferramentas, e apesar dos danos imediatos que poderia causar, tal como me causou o roubo do meu portátil em 2005, penso que conseguiria sobreviver.

Também na web podemos aplicar os mesmos princípios das aplicações financeiras: nunca aplicar as nossas economias num só produto. Diversificar a carteira e distribuí-la por diversas empresas e produtos. Assim, se as coisas correrem mal com uma delas, sempre temos as restantes.

A história inicial, já se encontra resolvida mas acho que vale a pena fazer o exercício: who owns you?

2008/08/05

consumidores e web social

Muitos dos que ainda não perceberam o que é que isto da web social pode fazer em favor das organizações, estão já a perceber o que ela pode fazer contra.

A impunidade que muitas organizações (e pessoas) gozavam em relação ao consumidor, assentava, entre outros, no facto de essas relações e os problemas com cada um dos consumidores ficarem dentro de portas. As organizações reservam-se o direito de apenas dar visibilidade ao que prentendiam.

Os consumidores, por muitos direitos que tivessem, acabavam por ver logrados os seus esforços para a reposição do que era justo. A falta de meios, onde tempo e dinheiro para mover um processo não estão ao alcance de todos, bem como a falta de meios que permitissem impedir outros consumidores de serem borlados, enganados, lesados, etc. [preencher consoante experiência], dando a respectiva visibilidade ao caso.

Pessoas como o Sr. José Henriques, que está no negócio de compra e venda de imóveis, pensam que podem continuar a agir de má fé e com abuso de confiança sem que o próximo comprador disso venha a saber. Pensam que os pequenos têm que se sujeitar às suas vigarices. Pessoas como o Sr. José Henriques pensam que podem continuar a vender casas e andares sem que os diversos consumidores que com ele contactaram venham a saber.

Só que este senhor, rapidamente se irá aperceber das vantagens da web social para dar mais enfase aos nossos direitos, sobretudo quando estes não são respeitados e quando o consumidor compra uma casa com obras prometidas que nunca são acabadas, com fracções que continua a desconhecer, em vésperas de uma escritura e após diversas insistências.

Pessoas como o Sr. José Henriques, começam a ter hipóteses de perceber que não é possivel continuar a enganar os consumidores porque agora eles falam, conversam e são encontrados. Já não é possível esconder os podres e fazer cosméticas com as obras, nem enganar aqueles que, sabe-se lá porquê, continuam a acreditar que somos todos pessoas de palavra e que existem pessoas de confiança.

Outros interlocutores desta história, estão a tempo de perceber as inevitabilidades dos blogs!

PS [7 de Agosto de 2008, às 18:41] - Com a escritura marcada para amanhã de manhã (9:40), continuam sem me mostrar que as obras foram finalizadas, continuo a desconhecer a totalidade da casa que vou comprar e, acabo de descobrir no site das finanças quando tentava liquidar o IMT, que «não existe nenhum prédio registado com a identificação indicada», conforme os elementos que me forneceram no contrato de promessa.

Por forma a evitar que outras pessoas com o mesmo nome possam ser confundidas, trata-se de José Henriques - Compra e Venda de Imóveis Unipessoal, Lda. com o NIPC 507146620

2008/07/31

Como destruir equipas produtivas e inovadoras (*)

1) Identificar unidades com equipas produtivas e inovadoras - este primeiro passo é fácil de identificar, mesmo para gestores menos experiêntes uma vez que podem apenas limitar-se a olhar para os resultados apresentados em função dos custos (passo que está ao alcance até do gestor ou consultor novato).

2) Tire partido de elementos macro-económicos e aproveite as sinergias criadas com um ambiente económico adverso, nomeadamente a subida do desemprego, o aumento do custo de vida e aproveite para reduzir subsídios, congelar salários e progressões na carreira indefinidamente (ou então uma formula menos explícita, em que as regras do jogo tornem impossível essa mesma progressão).

3) Ao nível micro, convém infiltrar-se pelas chefias intermédias. Ou seja, para este passo são necessários gestores ou consultores mais experientes. Este passo consiste em instruir as chefias intermédias para a necessidade de conter custos (leia-se promoções, deslocações, frequência de cursos, etc) mas, e isto é importante para a desmoralização futura do funcionário, prometer que se os objectivos forem cumpridos o funcionário será devidamente recompensado.

Se pretender resultados mais rápidos, então poderá, para além do que atrás foi explicado, escolher de entre 1 ou um mix de:
  1. Extinguir a organização/departamento/unidade. Este método é o mais radical apesar de poder ser gerar mais trabalho para o gestor, consultor ou assessor que tiver que o concretizar.
  2. Mudar o funcionário de funções: afinal se ele é bom naquilo que faz está na altura de ir fazer outra coisas completamente diferente (i.e. se trabalha no desenvolvimento de aplicações e é excelente nisso, então coloque-o atrás de um balcão a fazer atendimento ao público). Este método é o menos trabalhoso para o gestor, consultor ou assessor levando a que seja o próprio funcionário a apresentar a sua demissão (ou, como alternativa, a provar a sua incompetência).
  3. Instalar um clima de horror: utilizado com excelentes resultados em grandes organizações. Consiste em ir aniquilando, digo, dispensando funcionários, sob a capa da necessidade de baixar os custos, mais conhecido pelo downsizing (convém sempre utilizar estas palavras, especialmente se for um consultor ou assessor)
  4. Lembrar o funcionário, todos os dias, que a organização está em dificuldades e que não sabem se conseguirão continuar a pagar salários (utilizado quer em pequenas, médias ou grandes empresas)
  5. Ao abrigo da lei, e no caso de serem funcionários públicos, enviá-los para o quadro da mobilidade (resultados mais rápidos apesar de não existir garantia de que ele seja re-afecto a uma nova unidade que possa ser produtiva e inovadora)

No caso de ser bem sucedido a destruir equipas produtivas e inovadoras, agora resta-lhe apenas tentar criar novas equipas que sejam mais produtivas e inovadoras que as que tinha. Mas claro que já sabe que isso demora muito mais tempo, demasiado tempo, e é bem mais complexo do que as destruir. Como tal, não pode ser condensado numa entrada de um blog.

(*) ATENÇÃO: A utilização destas estratégias tem resultado, na maioria dos casos, à desvalorização das organizações. Diversos casos observados resultaram em perdas muito maiores que os ganhos antecipados com a «dispensa» de pessoal. Para mais informações entre em contacto com os seus ex-funcionários ou vá lendo umas coisitas, já com uns anitos, como por exemplo:
  • Downsizing: measuring the costs of failure (1999)
  • Organizational Restructuring and its Consequences: Rhetorical and Structural (2006)
  • Environmental determinants of work motivations, creativity, and innovation: the case of R&D downsizing (1997)
  • Downsizing in a Learning Organization: Are There Hidden Costs? (2000)
  • Changing organisation of public-sector research in Europe - implications for benchmarking human resources in RTD (2001)
  • Some Unanticipated Consequences of Organizational Restructuring (2000)

2008/07/24

Saberes e Competências Nacionais de Ciência e Tecnologia

Com a extinção do INETI e pulverização do pessoal e das equipas de investigação pelas mais diversas entidades nacionais (e até para o conhecido quadro da mobilidade!) do que era o maior laboratório de estado em Portugal, a plataforma DeGóis (Plataforma Nacional de Ciência e Tecnologia) poderá ser uma forma de não se perderem os saberes e as competências de tantas pessoas que ao longo de muitos anos contribuiram para lhe dar corpo e projectar o nome INETI a nível internacional.

A criação de um CV pode ser feita por todos os investigadores, a título individual ou a título institucional. Neste último caso, as instituições que aderirem têm a facilidade de extrair relatórios com informação agregada (i.e. indicadores de publicações totais, distribuição das publicações por áreas, etc). A título individual, a grande vantagem reside no facto de manterem não só o vosso CV actualizado como integrado e pesquisável em rede.

Uma das funcionalidades que gostei particularmente consiste no relacionamento entre autores. Ou seja, a partir do momento em que é inserida a descrição de um artigo por um dos seus autores, os restantes passam a estar linkados (claro que para que tal aconteça é preciso que lá tenham criado o CV ;-)

Outras das funcionalidades reside na facilidade de consultar os indicadores, reflectindo o momento e com os dados existentes. Ou seja, nada de ficar à espera das delongas anteriores em que apenas se obtinham dados sobre produção científica com meses de atraso. Claro está, que estes elementos apenas reflectem o que lá estiver. Se o vosso não está por lá, só depende da vossa vontade individual (ou, de um alerta vosso para que a instituição de que fazem parte adira ao DeGóis).


2008/06/27

Automatic Larvae (coffee) Machine


Larvae in my coffee!, originally uploaded by monicaA.

Vómitos, nojo, preocupação! Para além de tudo o que poderia tentar descrever, o mais importante agora é evitar que esta situação se repita em mais máquina de venda automática de café.

Tal como eu, poderiam pensar que fui a «afortunada» a quem umas dezenas largas de larvas (muitas delas engoli, outras cuspi e as da foto foram as que restaram do meu café com leite... e «crocantes» larvas).

Depois de me reestabelecer, foi possível descobrir quem pudesse abrir a máquina de venda automática de café e verificar o interior da maquina: uma verdadeira cultura de larvas no depósito de alimentação de leite em pó.

O grande horror para mim foi perceber que o problema que se passava no interior (invisível) da máquina, facilmente e com este calor, se poderia passar no interior de muitas outras máquinas com mecanismos identicos.

Não será isto um caso de saúde pública? Não será este um caso para a ASAE inspeccionar? As máquinas de venda alimentar estão isentas de inspecções?

2008/06/09

Two Bits, understanding free software culture & internet

Kelty, C. M. (2008) Two Bits: the cultural significance of free software. Durham: Duke University Press. [disponível em livro, pdf e html]:
"Understanding Free Software in detail is the best way to understand many contentious and confusing changes related to the Internet, to “commons,” to software, and to networks. Whether you think first of e-mail, Napster, Wikipedia, MySpace, or Flickr; whether you think of the proliferation of databases, identity thieves, and privacy concerns; whether you think of traditional knowledge, patents on genes, the death of scholarly publishing, or compulsory licensing of AIDS medicine; whether you think of MoveOn.org or net neutrality or YouTube—the issues raised by these phenomena can be better understood by looking carefully at the emergence of Free Software." [p.3]

"Geek is meant to signal, like the public in “recursive public,” that geeks stand outside power, at least in some aspects, and that they are not capitalists or technocrats, even if they start businesses or work in government or industry. Geek is meant to signal a mode of thinking and working, not an identity; it is a mode or quality that allows people to find each other, for reasons other than the fact that they share an office, a degree, a language, or a nation." [p.35]

"Free Software is an experimental system, a practice that changes with the results of new experiments. The privileging of adaptability makes it a peculiar kind of experiment, however, one not directed by goals, plans, or hierarchical control, but more like what John Dewey suggested throughout his work: the experimental praxis of science extended to the social organization of governance in the service of improving the conditions of freedom. What gives this experimentation significance is the centrality of Free Software—and specifically of Linux and Apache—to the experimental expansion of the Internet. As an infrastructure or a milieu, the Internet is changing the conditions of social organization, changing the relationship of knowledge to power, and changing the orientation of collective life toward governance. Free Software is, arguably, the best example of an attempt to make this transformation public, to ensure that it uses the advantages of adaptability as critique to counter the power of planning as control." [p. 239]

"Being open means not only sharing the “source code” (content and modules), but devising ways to ensure the perpetual openness of that content, that is, to create a recursive public devoted to the maintenance and modifiability of the medium or infrastructure by which it communicates. Openness trumps “sustainability” (i.e., the self-perpetuation of the financial feasibility of a particular organization), and where it fails to, the commitment to openness has been compromised." [p. 256]

"In the last few years, talk of “social software” or “Web 2.0” has dominated the circuit of geek and entrepreneur conferences and discussions: Wikipedia, MySpace, Flickr, and YouTube, for example. (...). Many of these directly use or take inspiration from Free Software. For all of them, intellectual property is a central and dominating concern. Key to their novelty is the leveraging and coordinating of massive numbers of people along restricted lines (i.e., music preferences that guide music discovery). (...) But they are not (yet) what I would identify as recursive publics: most of them are commercial entities whose structure and technical specifications are closely guarded and not open to modification. While some such entities may deal in freely licensed content (for instance, Creative Commons–licensed music), few are interested in allowing strangers to participate in, modulate, or modify the system as such; they are interested in allowing users to become consumers in more and more sophisticated ways, and not necessarily in facilitating a public culture of music. They want information and knowledge to be free, to be sure, but not necessarily the infrastructure that makes that information available and knowledge possible. Such entities lack the “recursive” commitment." [p. 303] [there is no bold in the original book]

2008/05/20

Are we smart?

Será que já percebemos que podemos fazer a diferença? Será que apesar de toda a democratização no acesso à informação e de todas as tecnologias em rede de que dispomos, conseguimos perceber que podemos provocar mudanças com impacto económico?

A ideia é estupidamente simples, e não foi minha ;-) But... só funciona se as massas se mobilizarem! Esta diz respeito à subida dos preços de combustivel e de como se pode exercer impacto real, junto das principais gasolineiras, com vista a fazer descer os preços.

Deixar de meter gasolina não é solução. Como todos sabemos, nomeadamente a que diz respeito aos transportes, depende do consumo de gasolina e afins. No entanto, podemos é fazer boicote a uma ou duas das maiores gasolineiras.

Por exemplo, se todos deixarmos de ir à B P e passarmos a utilizar as restantes existentes no mercado, ao fim de pouco tempo esse distribuidor ver-se-á obrigado a fazer «algo» para voltar a atrair clientes. Tipo, descer os preços!

Será que somos stupid mobs?


2008/04/17

Experiências com blogs em laboratorios

Coles, S. and Carr, L. (2008). Experiences with Repositories & Blogs in Laboratories. Third International Conference on Open Repositories 2008, 1-4 April 2008, Southampton, United Kingdom, p. 2:
"The system is completed by the data discussion/analysis and report generation processes. Blog technology (5) has been employed to facilitate discussion and collaboration with respect to repository data by enabling ‘live copy’ type of transfer of data from the repository to the blog space."
Os autores fornecem o esquema do protótipo e a fase em que se inserem os blogs (diversos detalhes do prototipo encontram-se mais facilmente visiveis nos slides que acompanham a apresentação). Dos elementos fornecidos, destaquei os seguintes pontos fortes e pontos fracos:
  • Pontos fortes: reutilização dos dados noutros projectos que se vão construindo sobre o conhecimento anterior (acumulado), pesquisa cumulativa de dados e informação contextualizada, facilidade de encontrar dados e informação que de outra forma estariam dispersos pelos vários computadores pessoais de cada elemento da equipa, fomenta a noção de que o trabalho de investigação não é solitário e que se constrói em colaboração
  • Pontos fracos: resistência às mudança nos processos de trabalho e no sistema de publicação científica, restrições no acesso e na utilização de aplicações blog, grande diversidade de formato de ficheiros utilizados ao longo do processo de investigação

2008/04/16

Copia dos vossos emails noutro servidor?

Não sei se quem está a receber os convites se deu ao trabalho de ler How Xoopit Manages Your Data? Deixo apenas uma das questões (#3):
"We currently index and store a copy of your email on our servers so that we can help you discover new things lost in your inbox as we add new indexing features, like support for Facebook messages."
Apesar da minha curiosidade de experimentar tudo para melhorar a utilização da minha informação, não sei se estou disposta a dar cópia de todas as minhas mensagens do Gmail (este já as tem!) a outra entidade, recém criada e não afiliada com a Google, para ficar com a cópia de todas as minhas mensagens... e as dos meus contactos!

Esta aplicação, apesar de perceber o potencial para revolucionar a forma como nos relacionamos com o email, vai ficar posta de lado. Preservar os meus dados e a minha informação (e a dos meus contactos) vai prevalever sobre a minha (enorme) curiosidade de experimentar o Xoopit ;-)

2008/04/14

de ameaças a oportunidades

Numa entrevista a Tom Austin [via Lorenz], pela Fast Company, IT's Not about the Technology:
"Austin believes that social sciences will become more important to IT Departments than IT itself. (...) he explains why companies should worry less about blocking social networking sites like Facebook and MySpace and more about using social networking to enhance collaboration and productivity."

barreiras / pontos fortes / oportunidades / ameaças

Estava a umas dezenas de Km quando se deram as «3as. Conversas Unicer» em que foi debatida a «Blogosfera, um problema para as empresas ou um novo universo para as relações públicas?"

Apesar de não ter ido, tenho a sorte de viver numa altura em que me é possível recolher testemunhos do que por lá se passou (i.e. 0, 1, 2, 3, 4) bem como de encontrar o video das conversas disponíveis no local do evento (virtual, claro).

Com um painel de peso, não conhecia o orador principal (embora subscreva as TEDtalks), conheço e acompanho 3 deles: os autores dos 2 primeiros livros sobre blogs em Portugal e a responsável da plataforma de blogs da Sapo, com quem tive a oportunidade de conversar, pela única vez, durante a pausa para almoço, de um encontro de blogs que decorreu em 2006.

Penso que vem muito a propósito relembrar uma apresentação que fizémos nessa altura sobre as barreiras, os pontos fortes, as oportunidades e as ameaças dos blogs organizacionais (Blog SWOT Organizacional: artigo completo, slides da apresentação, quadro resumo das barreiras, pontos fortes, oportunidades e ameaças à utilização de blogs organizacionais).

A tal inevitabilidade dos blogs com que se rematava, ainda teria que esperar mais de ano e meio para se ver discutida no meio, não dos interessados por blogs, mas no seio das empresas que já usam Blogs para alimentar o seu fluxo comunicacional.

É bom ver que o enfoque mudou das abordagens e recomendações teóricas para começar a entrar na sua fase experimental em contexto organizacional e, com ela, a possibilidade de assistir às reais questões colocadas no contexto português à medida que se for generalizando a utilização de blogs organizacionais. Este sim, é o verdadeiro ponto de viragem local que permitirá a recolha de dados que elucidem as verdadeiras e reais questões que as empresas irão colocar(-se)/confrontar(-se).


2008/04/10

Indicadores para o pulsar digital

Encontra-se disponível a lista dos ranking 2007-2008 do "Global Information Technology Report", pelo World Economic Forum e INSEAD (acesso aos resumos e listagens dos rankings de anos anteriores e possibilidade de utilizar ferramenta de análise dos dados acumulados):
"(...) drawing upon several key indicators of the economy and technology readiness in a country. The Networked Readiness Index, a comparative and benchmarking framework that is the highlight of the GITR project, was developed at INSEAD in order to capture the state of the technology readiness in the 127 countries worldwide."
Outro dos relatórios anuais que vou acompanhando é o «e-readiness» pelo Economist e IBM (disponíveis na integra os relatórios de 2002, 2003, 2004, 2005, 2006 e 2007 e 2008):
"A country’s "e–readiness" is a measure of its e–business environment, a collection of factors that indicate how amenable a market is to Internet–based opportunities. Increasingly, it is also about how individuals and businesses consume digital goods and services."
Específico para o pulsar mundial da «Sociedade da Informação», encontra-se o "World Information Society report" de 2006 e 2007, cujos indicadores foram desenvolvidos e aperfeiçoados na sequência do World Summit of the Information Society (WSIS), em 2003. A grande diferença em relação a outros índices foi a introdução de ponderações na agregação de indicadores e a constatação da existências diferentes padrões de acesso à «sociedade da informação», em concreto no que diz respeito aos acessos por vias móveis, tais como redes wireless, telemóveis 3G, PDA, etc.


from: ITU (Junho, 2005). Measuring Digital Opportunity [DOI], p.5


Deixo aqui a estrutura do Digital Opportunity Index (DOI), em traços largos e para quem não estiver interessado em ler os detalhes existentes também nos relatórios:

Digital Opportunity Index (DOI) structure - categorias e indicadores
from: ITU (2006) World Information Society Report: executive summary, p.8 [available online - www.itu.int/osg/spu/publications/worldinformationsociety/...]

Por Portugal, e para indicadores mais específicos sobre a realidade portuguesa, vou-me alimentando do Observatório para a Sociedade da Informação e do Conhecimento (anteriormente seguia a UMIC e o INE), que vai disponibilizando diversos dados (empresas, governo e famílias) e também o seu relatório anual "A Sociedade da Informação em Portugal".


2008/04/09

Bloggers em Portugal , literacia e desafios na «sociedade da informação»

Na recente Newsletter n. 33 da Obercom, fiquei a saber que acabou de ser publicado um estudo realizado em Portugal para tentar descobrir quantos eram os bloggers (peço desculpa, mas recuso-me a utilizar a palavra «bloguers») em Portugal.

Pena só agora esta informação ser divulgada, com dados que se reportam a 2006. Como se pode facilmente perceber, e após o grande crescimento registado em 2007, estes elementos já pouca utilidade trazem a quem pretende utilizar os dados. Na história dos blogs, reflectem uma realidade distante. Um dos problemas com que nos deparamos nos estudos das «novas tecnologias», é que elas deixam de ser «novas» muito rapidamente.

Uma vez que a abordagem escolhida tomou os blogs como ferramentas, a realidade de 2006 está já muito distante da que temos hoje (simplificação das ferramentas, entrada de novos players no mercado português, disponibilização de interfaces linguisticos, integração com outras ferramentas publicação, etc). As próprias utilizações dadas aos blogs, são mais variadas dos que as que estão descritas do estudo. Nnão encontrei em nenhum local do relatório a referência aos blogs colaborativos. Em 2006 já muitos casos existiam (no sector da educação abundavam exemplos de utilização em diversos níveis educativos). Pena esta questão não ter sido antecipada para o questionário. É diferente eu responder que mantenho 6 blogs, ou que tenho 2 blogs e que participo/colaboro em 4. Outra situação pode ser a de quem respondeu que não tinha nenhum blog mas que colaborava nalgum.

Quanto à «blogosfera» não consegui detectar indícios para que se pudesse chegar a alguma conclusão (voltarei a ler o relatório mais atentamente). Como se define e com que indicadores se caracteriza essa «esfera»? Nem sequer sei se é uma questão pertinente. Da mesma forma que posso escrever um livro ou apenas lê-los, e não ser pertinente se pertenço à «livroesfera» ou deixo de pertencer. Parece-me mais relevante e pelos dados apresentados é possível, retirar algumas conclusões quanto a questões de literacia para a «sociedade da informação».

Como foi hoje e também diz respeito à «sociedade da informação», deixo aqui ficar o link para o estudo da APDSI, apresentado hoje de manhã, sobre "Os desafios da economia da informação» caracterizando o sector da informação, o mercado dos produtos e serviços, investimento, emprego, produtividade e distribuição do rendimento [se a aplicação de leitura para o documento não for detectada automaticamente pelo vosso sistema, escolham abrir em acrobat reader, PDF].

2008/04/01

Portabilidade... ou talvez não

Uma das coisas que cedo me fascinou na leitura de blogs, foi a possibilidade de descobrir soluções engenhosas para problemas que tinha (e para outros que ainda não tinha colocado, antecipando-os).

Como estou deslocado do meu local habitual de trabalho e com acesso à net dependente de uma deslocação até ao único local (walking distance) com acesso wi-fi, por aqui (um dromedário com wi-fi), após visita ao correio (Yaiks!), uma breve consulta às minhas feeds para ver os últimos artigos publicados na minha área e blogs interessantes (prt.sc, claro ;) , eis que encontro a engenhosa ideia divulgada pelo Nuno Saraiva (O mundo numa pen / My Geek Army Knife). Após ter adicionado aos meus del.icio.us como ferramenta útil, dou comigo a pensar que ainda não é desta!

Pois é, um dos primeiros problemas que tive quando pela primeira vez precisei de utilizar um computador por estas bandas, foi, nem mais nem menos, encontrar as portas USB fechadas (as in, not there!). Segundo me foram informando, as portas USB são bloqueadas para impedir, a instalação de Software.

E para os que pensam que isto é uma bizarrice de quem se encontra no local da mítica Escola de Sagres, posso dizer-vos que as práticas de fechar as portas de USB se encontram a vigorar em grandes organizações. Uma das organizações com essas práticas é o Millennium BCP.

Ou seja, quando finalmente pensamos que foi desta que resolvemos um problema (muito real) de portabilidade, neste caso do «ambiente do nosso computador», logo começamos a pensar que é apenas mais uma backup (incomplete) solution.

De qualquer forma, vou ser uma das que também vai personalizar (thanks, anónimo!) a sua própria army knife (let alone de geek ;)

2008/03/12

Mobilidade e Estabilidade

O que à partida pode parecer um paradoxo (mobilidade / estabilidade) tem-me merecido algum (muito) tempo. A mobilidade que nos é requerida, quanto mais não seja pelo facto de comutarmos todos os dias de/e para o local de trabalho, assenta nalguns pressupostos de estabilidade, nomeadamente no local de partida para a comutação: home.

O nosso local de trabalho pode ser mais ou menos estável, a nossa organização pode ser mais ou menos aversa à mudança, podemos estar perante fusões, aquisições ou OPAs, mas no final de mais um dia de trabalho, voltamos para um local construído e moldado ao longo do tempo em função das nossas necessidades.

Dado que as fronteiras entre trabalho e vida privada são cada vez mais fluídas, algum grau de estabilidade acaba por se tornar importante para que a nossa mobilidade não seja comprometida.

Se pensarmos em termos de PIM (Personal Information Management) ou, como outros preferem, o simples facto de GTD (Getting Things Done), e apesar de podermos recriar o nosso próprio escritório móvel, não é possível mover toda a nossa informação, todo o tempo, em qualquer lugar connosco, pelo simples facto de co-existirem artefactos de informação físicos e digitais, ou seja, ambientes de informação híbridos.

Para além dos arquivos de informação relacionada com o trabalho que desenvolvemos, pouca antenção é dada à informação criada/acumulada/arquivada nas nossas casas (Kalms, 2008). Como exemplo, os arquivos individuais que somos obrigados legalmente a manter por questões fiscais, ou aqueles que nos podem causar danos (maiores ou menores) na sua ausência, tais como contas esquecidas por pagar que podem levar ao cancelamento de um serviço.

As nossas casas acabam por se tornar em importantes arquivos que não raras vezes albergam também os backups de material de trabalho, sobretudo para quem lida com grandes volumes de informação para obter o resultado do seu trabalho.

A equação poderia ser mais simples, não fossem as práticas e os comportamentos de informação de cada individuo tão dispares, bem como os próprios artefactos de que cada um se vai munindo e que tornam um estudo desta natureza mais complexo.

A própria fluidez que caracteriza a informação no contexto actual, acaba por encontrar barreiras nos espaços de transição que caracterizam a mobilidade dos sujeitos. A interoperabilidade e a portabilidade, estão ainda muito dependentes dos suportes a que se encontra ligada a informação.

Algo aparentemente simples, como pedir por telefone que nos enviem a planta de uma casa que gostamos, acaba por redundar numa sucessão de passos time consuming. Segue relato telefónico de situação real:
- Gostei daquela última casa que me mostrou. Pode enviar-me a planta?
- Concerteza. Dá-me o seu número de Fax?
- No local em que estou não tenho fax. Pode enviar-me por email?
- Peço desculpa, mas a planta está em papel e não tenho um scanner para lhe poder enviar.
- Hmm... Já lhe volto a ligar. Vou pedir a um amigo que tenha fax para me dar o número.
Após ter ligado a um amigo e ter pedido o número de fax dele, volto a ligar para a agência, dou o número e fico à espera que o dito fax seja recepcionado pelo meu amigo, que por sua vez o digitalizou e me enviou para a minha caixa de correio. Simples, não?

Estando atentos, verificamos que o nosso quotidiano está recheado destas situações. O exemplo que dei pode ser considerado como pessoal (sou eu que estou à procura de casa) mas é também uma situação profissional (a agência que me vai vender a casa) e que serve também para ilustrar que não se trata de uma situação de interesse pessoal (consumidor) mas também empresarial (mercado).

Não pretendo com isto julgar a empresa em causa, mas apenas lançar o repto para mais situações quotidianas, em que a tal fluidez da informação, ou se preferirem a tal informação «anywhere, anytime, any how» tão apregoada, oferece ainda muito espaço de investigação.

Outras situações? Comentários?

Caso não sejam anónimas(os), terei todo o gosto em incluir os nomes dos autores dessas situações no trabalho que irei apresentar dentro de um mês.


2008/03/05

First Monday dedicada à Web2.0

Zimmer, M. (2008). Critical Perspectives on Web 2.0. First Monday, vol. 13(3), editorial:

"Web 2.0 represents a blurring of the boundaries between Web users and producers, consumption and participation, authority and amateurism, play and work, data and the network, reality and virtuality. The rhetoric surrounding Web 2.0 infrastructures presents certain cultural claims about media, identity, and technology. It suggests that everyone can and should use new Internet technologies to organize and share information, to interact within communities, and to express oneself. It promises to empower creativity, to democratize media production, and to celebrate the individual while also relishing the power of collaboration and social networks.

But Web 2.0 also embodies a set of unintended consequences, including the increased flow of personal information across networks, the diffusion of one’s identity across fractured spaces, the emergence of powerful tools for peer surveillance, the exploitation of free labor for commercial gain, and the fear of increased corporatization of online social and collaborative spaces and outputs."

2008/03/04

50 razões para não mudar

Mais do que cultura organizacional, as crenças (leia-se, resistências) com que nos deparamos ao nível individual, dentro (e fora) das organizações, são notórias nesta colecção de expressões comuns que se ouvem com demasiada frequência nas organizações. Quando o quadro estiver disponível em cartaz, serei a primeira a afixá-lo na porta do meu próximo gabinete. [via Jack Vinson]

2008/01/02

ter conhecimento vs passar pelas situações

Relendo uma sintese de Outubro de Anne Zelenka ("From The Information Age To The Connected Age"), onde apresenta uma tabela com as principais diferenças entre knowledge work versus web work, ajuda-me a perceber o impacto pessoal das transições que ocorreram desde Agosto de 2007 até agora nos pressupostos em que assentava a minha forma de trabalho:
  • nos vários espaços do meu quotidiano, o acesso à internet era um dado adquirido: no local de trabalho, em casa ou em deslocações o acesso estava sempre presente. Pela imersão continuada nesses espaços, a internet tornou-se invisível e parte de uma infraestrutura em que passaram a desenvolver-se as minhas práticas e os meus comportamentos de trabalho
Devido a diversas variáveis, que escapam à minha capacidade de as resolver, encontro-me privada do acesso a uma infraestrutura determinante para o desenvolvimento do meu trabalho e por causa de as estar a viver, desde os últimos 5 meses, apercebo-me agora das consequências reais que se podem colocar a quem não tem/não pode/ou se encontra impedido de aceder à net.

Uma das variáveis que nunca tinha identificado é a importância da existência de um espaço estável (por oposição a espaços ad hoc) onde a nossa informação de trabalho possa estar disponível:
  • anteriormente, e dado que dispunha de um espaço de trabalho organizacional estável a par do meu espaço de trabalho em casa, bem como a possibilidade de complementar os acessos em situações de mobilidade com o meu N80, podia trabalhar em qualquer instante das 24 horas de qualquer dia da semana. Tal prática torna-se agora um verdadeiro desafio, nomeadamente no que toca a manter os contactos com comunidades profissionais e redes de contactos. A tal ponto que mesmo a simples verificação de mensagem de email se tornaram esporádicas.
No desenho dos trabalhos que permitem compreender a info-exclusão, nunca vi contemplados os casos em que as pessoas tinham práticas de acesso e de trabalho intensivo como web workers mas que devido a circunstâncias e variáveis externas acabam por se ver excluídas dessa capacidade de trabalho (i.e. mudanças organizacionais, rupturas conjugais, perda de poder económico, ausência de espaço de trabalho estável, furto de artefactos de informação, insegurança, entre outros).

Apenas este apontamento, enquanto vou procurando estratégias que me permitam ultrapassar e/ou contornar as limitações com que me encontro ainda. Novas formas de trabalho que passam por reformular a minha gestão pessoal de informação (Personal Information Management, PIM) de forma a poder fazer o trabalho que tenho em mãos (Getting Things Done, GTD).