2005/02/25

How true

Cada vez mais acho que o título do B2OB foi mal escolhido. Concordo com Doc Searls, quando ele afirma que:

"Blogging is personal. The voices you hear in blogs are personal ones, not corporate ones, even when they serve corporate purposes."

2005/02/22

Blogging Organizacional: por onde começar

O José Luis Orihuela colocou no seu blog um guia em 7 passos para quem já reconheceu o potencial dos weblogs como ferramenta organizacional. Para além de bem sistematizado, incorpora links para informação que de outra forma se encontrava dispersa pela rede.

[análise mercado] Produtos para Blogging

Análise do mercado de produtos para Blogging em On the Job: Weblog Tools Market, de Fevereiro de 2005 [via CoorporateBlogging].

google-share-02-05.gif

2005/02/21

Outro estudo da UE: relação entre educação e adopção das TIC

Alertada por um artigo do Pedro Fonseca, no Suplemento de Computadores do Público, «A Dimensão Local da Sociedade Global», questiono-me se será desta vez que o Governo irá olhar de frente para estes números e perceber a relação directa que os estudos apontam entre «educação» e «adopção das TIC» (Tecnologias de Informação e Comunicação) e claro, rendimentos:

"The report 'eInclusion revisited: the local dimension of the Information Society' found that education is fundamental to being 'eIncluded'. 'Higher Internet use seems to remain clearly and consistently related to higher educational and occupational status,' it states. (...)"
Relatório completo aqui + anexos.

2005/02/19

Tempo e comportamentos na adopção dos blogs

Muito se estará a passar no que diz respeito à introdução dos blogs a nível organizacional. Mais do que as questões técnicas que se colocam, estamos a falar da adopção dos blogs por pessoas. As tais pessoas/indivíduos que trazem à organização o seu valor acrescentado, a sua forma de estar no mundo, as suas experiências. Em suma, as suas características únicas que complementam o leque de competências necessárias na estrutura organizacional, as tais que justificam o interesse pela temática da Gestão do Conhecimento (KM).

Os instrumentos e as ferramentas que as organizações colocam ao dispôr dos seus colaboradores, têm que revelar a sua adequação ao trabalho desenvolvido por cada um. Recentemente, ao introduzir os
weblogs enquanto ferramenta para a Gestão Individual da Informação (GII) recebi alguns indícios dos problemas que esta ferramenta pode colocar, num contexto individual:
  • O desconhecimento da ferramenta pode, logo à partida, constituir uma barreira à sua utilização
  • O facto de os blogs, em Portugal, estarem ainda pouco divulgados no contexto organizacional, como ferramenta, pode estigmatizar a sua utilização
  • Dado que os benefícios trazidos pelos blogs só se sentem a médio/longo prazo, não existindo uma gratificação imediata (salvo casos de figuras/acontecimentos mediáticos), o esforço/tempo necessário para conhecer o potencial da ferramenta pode desemcorajar a sua utilização
  • A predisposição individual às Tecnologias de Informação e Comunicação [considerar as questões de literacia no séc. XXI] e o contexto das funções exercidas parecem constituir uma boa alavanca de adopção, a que se podem juntar factores de persistência, uma vez reconhecido o potencial da ferramenta
  • A introdução dos blogs, acompanhada da componente prática (acompanhar os indivíduos na fase inicial de criação, para que ao primeiro obstáculo, não desistam), tem-se revelado uma boa prática
  • No entanto, para que essa assistência seja efectiva, o número de pessoas, nas sessões práticas, deverá ser limitado a 10-12, preferencialmente com um intervalo de uns dias entre cada sessão
  • Tirar partido da própria ferramenta para estender o espaço formal de partilha de experiências, parece constituir um elemento de reforço de uma presença mediada, bem como fornecer materiais adicionais.

Apenas este apontamento porque a memória é selectiva e a tecnologia redutora [para reflectir depois de finalizar esta última etápa].

Foi bom saber que, para além da
Filipa e RC, também o Cidadaniactiva, tem um blog. Mas será que somos só 4, dentro da organização, a manter blogs? E o que leva as pessoas a manterem os seus blogs anónimos não será reflexo da instabilidade e da falta de confiança que se vive dentro das organizações?... Talvez só quando essa estabilidade e confiança passar para cada uma das pessoas que compõe a organização, se possa revelar o verdadeiro potencial dos blogs, enquanto ferramenta, dentro das organizações.

2005/02/13

Sortelha (13 de Fevereiro de 2005) Posted by Hello

Monsanto (13 de Fevereiro de 2005) Posted by Hello